Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 43


 

ANTONIA
Boa noite a todos, meu nome é Antonia e eu venho da Croácia. Entrei na comunidade por causa de problemas de dependência de drogas. Agradecendo e ouvindo os pais falarem diante de nós, eu inventei muitas, mas muitas coisas más que fiz na minha vida, nas ruas e nas drogas. Antes de tudo, ocorreu-me agradecer muito a Nossa Senhora pelo presente da vida de minha mãe, que foi, penso eu, o que realmente posso agradecer hoje pelo fato de estar aqui, estar na Comunidade, estar viva. Consegui construir uma família, renovei minha vida, agradecendo à Comunidade Cenacolo. Lembro-me que muitas pessoas na Croácia, na terra onde eu morava, na minha cidade, disseram: "Bem, para os viciados em drogas não há esperança". Mas minha mãe, agradecendo, realmente tinha uma grande fé. Encontrando a Madonna em Medugorje, ela começou a orar, ela conheceu a Comunidade Cenáculo e disse: "Minha filha será salva." E foi assim. Lembro que ele me trouxe pela primeira vez para fazer as entrevistas em Medugorje, quando a casa das meninas ainda não estava lá, e os meninos o fizeram. Eu tive vinte e cinco palestras e todos disseram que eu nem entraria na comunidade. Em vez disso, minha mãe disse: "Não, eu confio na Madonna e que Antonia entra". E eu entrei, agradecendo a fé de minha mãe e meu pai.
Entrei na Itália em uma casa de meninas e fiz uma jornada pela comunidade. O primeiro período foi certamente difícil. Antes de tudo, era difícil aceitar que eu tinha problemas e que precisava de ajuda: acho que essa foi a primeira dificuldade que tive na Comunidade: aceitar me humilhar, me abaixar e pedir ajuda quando eu precisava, saber quem eu sou em um lugar onde tenho que mudar minha vida e que fiz muitas coisas erradas. Agradeço muito à comunidade e a muitos jovens, muitas meninas antes de mim que me ajudaram a avançar nessa jornada, porque certamente as meninas que fizeram uma jornada antes de mim me ajudaram com sua experiência e elas me ajudaram dando a esperança em meu coração de que eu também poderia fazê-lo. Depois de um certo período de comunidade, senti em meu coração o desejo de construir uma família. Eu conheci meu marido na comunidade. Depois de uma certa jornada, nos casamos e partimos para as missões. Certamente foi uma intuição de Madre Elvira, indo da Itália ao Brasil para celebrar os 10 anos de uma missão, Elvira repentinamente nos transferiu para a Bahia e nunca mais voltamos. Acho que naquele momento também aprendi a dizer: "Aqui estou", a confiar, o que nunca fiz antes. Se alguém me dissesse uma coisa dessas, eu teria respondido: "Eu não faço, não preciso obedecer". Em vez disso, Madre Elvira teve a coragem de nos pedir para continuar, continuar esta jornada, dar nossa vida mesmo nas missões aos mais pobres e mais necessitados.
Eu moro há alguns anos com meu marido na missão na Bahia, Brasil, onde há cerca de vinte missionários, cinco irmãs da Comunidade Cenáculo e cerca de oitenta crianças abandonadas, crianças de rua, crianças que talvez não tenham família, filhos que precisam de alguém que os ame, que esteja com eles e que dê a vida por eles. No começo, como casal, não podíamos ter filhos, desenvolvemos igualmente o dom da paternidade e da maternidade ao cuidar dos filhos que recebemos na comunidade. São todas crianças pequenas que estão nos dando tanto: tanta alegria, mas também tanto crescimento, para que também possamos crescer como mãe e pai, para não cometer os mesmos erros que experimentamos em nossas famílias. Então, inesperadamente e pela graça de Deus, também recebemos um filho natural: Daniel, que cresce com os outros filhos da missão. Certamente uma das causas do vício em drogas, a que me mandou para as ruas, também houveram algumas brigas na minha família, entre meus pais, que eu nunca os vi se abraçando. Nunca senti o calor de uma família e acho que foi o que mais me enviou às ruas para viajar pelo mundo; e então certamente do outro lado também o prazer da diversão e tudo mais, eles não eram a única causa. Mas, vendo isso, quero dar a essas crianças outro calor, outro exemplo de família. O Senhor nos deu essa nova oportunidade de viver como um casal novo e renovado. Acho que as crianças da missão se escondem atrás da porta quando Joachim e eu nos abraçamos, ou começamos a dançar, eles se escondem e riem, porque eu acho que é isso que lhes dá tanta felicidade e alegria porque eles só viam o mal em suas famílias: os pais separados, os pais que se batem, que levantam as mãos, talvez eles nunca conhecessem seus verdadeiros pais. Penso que o que podemos transmitir a eles é fé em Cristo, que existe um grande Pai que está no céu que os protege, que os ama e que somos apenas pequenos instrumentos nas mãos de Deus e que somos capazes de amá-los. com o coração aberto e dar a eles tudo o que não tiveram em suas famílias. Eu acho que o Senhor está me perguntando isso. Eu, com todo o meu coração, mantenho meu coração aberto para poder lhes dar esse amor. Então, ouvindo os pais falarem, como eu disse antes, fico muito emocionado, porque sinto que machuquei muito meus pais. Lembro-me de que, após dois anos de comunidade, minha mãe me pediu desculpas, mas eu disse: "Mas você não precisa se desculpar comigo, sou eu que tenho que me desculpar com você, porque eu te machuquei tanto, eu fiz você sofrer muito, e eu definitivamente fiz você se sentir triste. " Mas Elvira também me ensina a dizer que é bom que eles existam. Eu tenho que agradecer muito a eles pela minha vida, mas muito, porque foram eles que me ajudaram na minha jornada, depois de tantos anos na estrada, tantas drogas, tantos danos que eu causei. Foi minha mãe que teve a coragem de me pegar pela mão e me levar para a comunidade, e me dizer: “Olha, há uma vida muito mais bonita do que você está fazendo, há uma luz que existe no mundo. e você também pode ser leve para os outros ". Agradeço muito por isso. Então, lembro que, quando entrei na comunidade, também houve os momentos mais difíceis da vida da minha família. Todo mundo tem lutado um pouco. Lembro que entrei na comunidade e o marido de minha irmã sofreu um acidente e permaneceu em uma cadeira de rodas, mas apesar de todas as cruzes na família, minha mãe nunca perdeu um sorriso, ela sempre foi uma mulher com um sorriso, com tanta fé e com tanta esperança, e foi isso que me manteve todos esses anos na comunidade: sua persistência e fé, sua confiança na comunidade Cenáculo, em Madre Elvira e em mim. Lembro-me de quando ela me levou a Saluzzo e me disse: "Confio em você, confio em que você pode fazer isso". E foi assim: a partir daquele dia, não queria mais que ela perdesse a confiança em mim, porque a perdi muitas vezes: contei muitas mentiras, fiz muita bagunça, mas eles confiaram um no outro, me pegaram pela mão. Depois de cinco anos sem retornar das missões para a Bahia, voltei para a Croácia. Conhecendo minha família, meus pais, realmente agradeci ao Senhor por sua mudança. Eu estava sentada com minha mãe e, às três, ela me disse: "É a hora da misericórdia, vamos orar juntas". Foi bom ver essas mudanças e estou feliz, porque vejo que não andei sozinha, eles também andaram. Talvez o tempo do meu pai seja um pouco mais lento, mas ele também chegará lá, acho que o Senhor, juntamente com os da minha mãe, também tocará seu coração, não quero perder a esperança. Quero passar também uma mensagem a todos que ouvem: viver com serenidade, com alegria. Hoje, Padre Stefano, retornando da África, disse que devemos estar calmos e viver serenos, dia após dia, acolhendo tudo com fé em Deus, e também quero agradecer à Comunidade pelo maior presente que me transmitiu: a fé. Na comunidade, encontrando Deus, conheci minha vida, conheci o amor da minha vida, que é meu marido. Obrigada.

GIOACCHINO

Boa noite a todos, sou Gioachinno, marido de Antonija. Agradeço muito à minha esposa pelo que ela faz diariamente por mim; muitas vezes não percebo sua presença constante e silenciosa, mas vejo que tudo o que ele faz por mim faz isso com amor, por isso, muito obrigado, Antonija, por sua presença na minha vida. Eu também entrei na Comunidade através da cruz de drogas do meu irmão. Muitos anos atrás, quando descobrimos que meu irmão usava drogas em casa, era um drama para nós e não sabíamos como lidar com isso. É verdade que o Senhor mostra o caminho certo em lugares diferentes, em situações que às vezes podem parecer estranhas, através do conhecimento de uma garota que me contou sobre a Comunidade Cenáculo. Imediatamente senti em meu coração que esse seria o caminho da salvação para meu irmão. Então, junto com meus pais, tentamos muito e tentamos convencer meu irmão a fazer a primeira triagem. Lembro que, quando voltávamos a casa e quando entramos no carro, começamos a chorar como crianças de dois anos. Lembro-me daquele momento porque tocou meu coração, tocou em algo que dentro de mim parecia errado e a partir desse momento tudo mudou, porque após a primeira triagem ele queria ir para a segunda e terceira, para a quarta e depois entrou na Cenáculo. Somente depois que meu irmão entrou na Comunidade, senti um momento de confusão dentro de mim. Eu senti que alguém ou algo estava me ligando.
No final, decidi me juntar à Comunidade, não sabia há quanto tempo e nem sabia o porquê, honestamente. Mas eu confiei, disse a mim mesmo pela primeira vez: "Faça algo que você não sente ser seu". Humanamente, as opiniões de meus amigos e colegas se opunham: eu zombei, eles me contaram todas as cores, mas olhe para isso depois de anos, aquelas pessoas que zombaram de mim hoje, outro dia, quando os encontramos na cidade, todos ficaram maravilhados com a minha escolha e as pessoas que pensavam que tinham felicidade nos bolsos foram destruídas. Muitos me elogiaram por essa escolha de vida que fiz e, no final, vejo que nada é impossível para Deus e que a verdadeira felicidade vem Dele. Quando entrei para a Comunidade, o desejo de estar com crianças missionárias. Não sei como entrei para a Comunidade, mas foi algo que senti e também senti essa vocação. Madre Elvira, com grande coragem, lembro-me imediatamente após a mensagem de Nossa Senhora de Medjugorje, disse-me: "Gioachinno, faça as malas porque parte para a missão e vai se juntar ao seu irmão". Porque depois de um caminho em Cenáculo, meu irmão também tinha um desejo no coração de ir em uma missão e ele estava lá antes de mim. Então eu o encontrei, passamos alguns momentos maravilhosos juntos, onde realmente nos conhecemos como dois irmãos. Tivemos uma experiência de vida indescritível, que se estivéssemos na cidade onde morávamos ou fora da Comunidade, nunca teríamos vivido.
Também passamos por momentos difíceis no início da missão no Brasil, quando as coisas eram difíceis, mas estávamos unidos em coragem. Na verdade, devo dizer que ele me encorajou e me ajudou em dificuldades. Por isso, só posso agradecer a Deus porque, além de me dar uma nova vida, ele também me deu o amor de minha esposa, que não tem preço. Depois de muitos anos de missão, senti em meu coração que Jesus estava preparando algo para mim, como meu irmão já havia preparado; Eu havia voltado do Brasil, porque meu irmão aqui perto de Saluzzo estava se casando com sua esposa Francesca e encontrei Antonija lá. Pense, eu vim para o casamento de meu irmão na Comunidade e o Senhor me fez conhecer Antonija, portanto, um presente dentro de outro presente! Pense em como foi maravilhoso esse Pai que vê tudo e sabe tudo! E hoje, o que posso dizer? Meu irmão deixou a Cenáculo, tem dois filhos maravilhosos, vive uma vida cristã, levando em conta os valores comunitários, aqueles que lhe devolveram a vida e os baseados não apenas nos fundamentos da Comunidade Cenáculo, mas também na fé católica. Ele se entrega tanto a seus filhos quanto a sua esposa. Devo dizer que a Comunidade fortaleceu tanto meu caráter, fortaleceu meu modo de ser, me ensinou a ser verdadeiro com os outros e comigo mesmo. Lembro que com minha esposa, quando nos casamos, dissemos que nunca fumaríamos um cigarro e que nunca beberíamos um copo de vinho ou até cerveja e estou feliz porque mantivemos essas promessas, mesmo quando estávamos no casamento. esse período de férias para visitar seus pais na Croácia e meus pais aqui na Itália. E foi um triunfo para mim ver que não preciso mais de álcool ou cigarro para me sentir bem. E então, ser fiel é a coisa mais linda que pode ser criada, acho que é algo que só pode vir de Deus quando nos deixamos guiar por Ele. Antonija, assim como para o nosso filho, é como mãe de todas as crianças que estão nas missões, não apenas aqueles que estão em nossa casa, mas também todos os outros, a procuram, porque veem nela uma mulher, uma mãe. Ele é realmente exigente, tem um caráter forte e decisivo, e isso é bom para mim e também para as crianças. Nossos filhos são filhos doces, são filhos que precisam de amor, você pode ver pelos gestos deles, pela busca de carinho. Antonija sempre dá, tento me esforçar e dar o que o Senhor me deu. Eu também sinto em meu coração o desejo de agradecer muito a meus pais. Quem sabe, talvez minha mãe esteja me ouvindo e eu quero dizer obrigada, mãe, pelo que você fez por Carmelo, por mim e por meu pai, e vejo que meus pais também cometeram erros, mas eu no meu coração, agora que somos pais de Antonija, sinto que somos todos humanos e que não devo apontar o dedo para ninguém porque sou o primeiro pecador, sei que ainda estou na estrada hoje, sei que minha vida precisa de tantas orações, as orações de minha mãe são aqueles que me trouxeram para a salvação. Também sinto que agradeço a Madre Elvira com sua coragem, seu desejo de viver, sua esperança de que ela nos transmitiu e sentimos no coração o desejo de transmitir isso também a crianças carentes.
Dissemos sim precisamente porque sentimos que foi o Senhor quem nos chamou e, no nosso sim, sabemos que precisamos andar, precisamos da Comunidade e até que o Senhor nos dê o desejo de fazer, continue, acho que esse é o caminho certo, porque nasceu com sacrifício. Elvira nos ensina e experimentamos que a alegria vem depois do sofrimento. E é verdade: se olharmos para o céu, quando uma tempestade chegar, sabemos que depois o sereno chega e esse sereno permanece no coração porque é o sereno do céu de Deus, aquele sereno que o mundo exterior está procurando nas coisas erradas, no coisas que passam. Na Comunidade, experimentamos diariamente a misericórdia de Deus que passa por nossas vidas, nossas cruzes, nossos pecados e temos essa grande imagem de Elvira com seu exemplo de mulher humilde, serva e silenciosa, e foi exatamente isso que ela me disse uma vez : "Olha, Gioacchino, que as crianças não ouvem com os ouvidos, mas ouvem com os olhos. Então, faça primeiro. Você deve ser consistente; se o fizer, eles vêem e também o fazem". E é realmente verdade. É verdade porque muitas vezes também tenho sido difícil censurar as crianças, mas vi que elas precisam ver a coerência dos pais, porque não podemos esperar delas quando não estamos exigindo conosco. E essas coisas realmente marcaram minha vida e muitas vezes digo a mim mesmo: "Não quero ser ou cometer os mesmos erros que meu pai". Jesus diz que veio nos fazer novas pessoas e criaturas e eu confio nele, quero levar essa palavra a sério porque com Jesus você tem que ser sério, não precisa levá-la superficialmente porque é realmente algo grande ser pequenas ferramentas dócil nas mãos, porque ele realmente faz milagres, mas também precisa de alguém disposto a arregaçar as mangas. Quero agradecer por isso. Obrigado.